sábado, 14 de outubro de 2017

Como vencer sem incomodar o goleiro adversário?

 O Botafogo, depois de ter se recuperado contra a Chapecoense, foi derrotado pelo Vasco no Maracanã, por 1x0, em partida muito amarrada, sem grandes chances para ambos os lados. Com o resultado, o alvinegro manteve-se com 43 pontos, na 6ª colocação, sem risco de cair de posição nessa rodada.

 Mesmo nos momentos do jogo em que teve maior domínio, o Glorioso não ameaçou o goleiro adversário e isso dificulta bastante para conseguir o resultado positivo. Faltou poder de fogo e, diferente do jogo contra a Chapecoense, não conseguimos êxito nas jogadas aéreas, até porque nossos laterais estiveram muito mal na partida e não chegavam com qualidade nas jogadas de fundo. Pimpão foi outro que teve atuação bem abaixo do que se espera e nos falta um meia de criação, que municie o ataque.

 A arbitragem também se complicou. Pela imagem disponibilizada, não consegui ter certeza sobre toque de mão no lance do gol deles, mas esse lance do adversário teve início logo após um ataque nosso, em que a bola toca claramente no braço do defensor dentro da área. O juiz não marcou o pênalti, os muitos auxiliares também não e na sequência eles fizeram o gol. Vale ressaltar que tal fato não anula a falta de objetividade ofensiva de nosso time.

 No 1º tempo sobressaiu a marcação das duas equipes. Eles mandaram uma bola na trave aos 11 e nós tivemos uma conclusão de Marcos Vinícius aos 28, na única jogada em que o goleiro teve um mínimo de esforço. Além disso, um escanteio perigoso deles, que Bruno Silva não conseguiu interceptar, mas Rabello estava atento para cortar e um contra-ataque puxado por Vitor Luis, que acabou passando errado e desperdiçou o lance.

 Na etapa final o time adversário chegou em conclusão perigosa aos 7, que Gatito pegou. Aos 23, na sequência de um pênalti não assinalado a nosso favor, a equipe adversária abriu o placar em chute de fora da área. Nosso treinador colocou Gilson, Guilherme e Vinícius no time, sacando, respectivamente, Marcos Vinícius, Pimpão e Brenner, mas fomos em busca do empate sem organização, na base do abafa e não conseguimos marcar o gol.

 Nosso próximo jogo será contra o Avaí, em Santa Catarina. Que tenhamos uma apresentação melhor que a de hoje no clássico. Que possamos conseguir a vitória e nos manter na briga pela vaga na Libertadores.

Lances do Jogo

1º tempo

- 11 min: Victor Luis não conseguiu cortar uma bola no meio de campo, um adversário ficou com ela, arriscou de bem longe e acertou a trave;
- 28 min: Arnaldo roubou a bola no meio, tocou para Bruno Silva, recebeu de volta, cruzou para a área, Marcos Vinícius concluiu de primeira e goleiro defendeu firme.

2º tempo

- 7 min: um jogador adversário recebeu na área, pela esquerda, chutou e Gatito mandou para escanteio;
- 23 min: um jogador vascaíno recebeu no meio, ganhou de Rabello, chutou de fora da área, no canto e marcou o gol. Os jogadores alvinegros reclamaram de toque no braço do adversário no lance.

Cartões

 Amarelo para Marcos Vinícius, Bruno Silva e Joel Carli (terceiro dele, que ficará fora do jogo contra o Avaí).

Escalação/substituições

 Botafogo: Gatito, Arnaldo, Joel Carli, Igor Rabello e Victor Luis; Lindoso, Bruno Silva, João Paulo e Marcos Vinícius (Gilson); Pimpão (Guilherme) e Brenner (Vinícius).

 Saudações alvinegras.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Força aérea alvinegra

 O Botafogo, no Nilton Santos, derrotou a Chapecoense por 2x1, chegou aos 43 pontos, manteve-se na 6ª posição e na cola dos que estão imediatamente à frente. Foi sofrido, foi na base da luta, da persistência e em jogadas aéreas, que resultaram em gols de cabeça de Brenner e Vinícius, este último já aos 49 da etapa final.

 Não foi uma grande apresentação da equipe alvinegra, que tocava a bola, mas não conseguia articular jogadas ofensivas. Na realidade, o jogo no 1º tempo foi feio e o Botafogo teve apenas uma oportunidade, em sobra que Bruno Silva pegou na área aos 18 minutos, mas concluiu para fora. Já o adversário chegou somente em jogada aérea aos 2 minutos, que Gatito defendeu com muita tranquilidade.

 O time precisaria melhorar no 2º tempo, mas a situação continuava difícil, já que não chegávamos com perigo. O treinador alvinegro sacou Matheus Fernandes aos 13 e colocou Marcos Vinícius, mas um minuto depois sofremos o gol, quando o atacante dominou na área, conseguiu cruzar e o lateral cabeceou e marcou.

 Aos 20, foi a vez de Guilherme dar lugar a Pimpão e, nesse momento, em falta cobrada por João Paulo, Brenner empatou. As substituições, se não melhoraram muito o rendimento técnico, pelo menos deram mais energia à equipe, que tentava encontrar espaços para chegar ao gol da vitória.

 Aos 32 o autor do gol de empate foi substituído por Vinícius, que na única oportunidade que teve, ao apagar das luzes, fuzilou o goleiro adversário com uma cabeceada forte e decretou a vitória alvinegra.

 Se na partida anterior fomos derrotados nos acréscimos, nessa quarta-feira chegamos a vitória com gol aos 49. Sofremos, mas vencemos e são os 3 pontos que importam na luta pela vaga na Libertadores. Infelizmente tivemos apenas 7.600 torcedores presentes no Nilton Santos.

Lances do Jogo

1º tempo

- 2 min: em cobrança de falta da direita, a bola foi cabeceada e Gatito pegou com tranquilidade;
- 18 min: em falta cobrada para a área adversária, Rabello dividiu com o goleiro, a bola sobrou para Bruno Silva, que chutou para fora.

2º tempo

- 14 min: um atacante recebeu na nossa área e, mesmo rodeado por marcadores, conseguiu girar o corpo, cruzar da esquerda para a direita, o lateral ganhou a disputa com Victor Luis e cabeceou para as redes: 0x1;
- 15 min: João Paulo arriscou de longe e a bola saiu perto da trave adversária;
- 20 min: João Paulo cobrou falta no meio de campo, lançando em direção à área adversária, Carli escorou de cabeça para o miolo da área e Brenner, também de cabeça, empatou: 1x1;
- 49 min: Bruno Silva recebeu na direita, abriu para Arnaldo, que cruzou, o goleiro deu um tapinha, a bola sobrou para Pimpão na esquerda, que cruzou na medida para Vinícius cabecear forte e marcar o gol da vitória: 2x1 Fogão!

Cartões

 Amarelo para Matheus Fernandes (3º dele, que não poderá enfrentar o Vasco no sábado).

 Escalação/substituições

 Gatito, Arnaldo, Joel Carli, Igor Rabello e Victor Luis; Lindoso, Matheus Fernandes (Marcos Vinícius), Bruno Silva e João Paulo; Guilherme e Brenner (Pimpão).

 Saudações alvinegras!

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

De novo, Botafogo?

 Depois do jogo com o São Paulo no Nilton Santos, quando sofremos uma inacreditável virada nos últimos minutos, mais uma vez presenciamos esse dissabor, dessa vez contra o Vitória, também no Nilton Santos.

 O alvinegro vencia por 2x1 até aos 44 minutos da etapa final, quando sofreu o empate e o pior veio aos 50, quando levamos a virada. Alguns jogadores, como Luis Ricardo, Pimpão e Marcos Vinícius, deixaram muito a desejar, principalmente o lateral direito. Léo Valencia substituiu Marcos Vinícius e com um minuto em campo o chileno deu grande assistência para Gilson, na jogada que gerou o pênalti, mas depois disso não produziu mais nada. Outro fator importante, que pode ter influenciado na derrota, foi a saída de Carli, contundido. O zagueiro estava bem no jogo e os gols da virada baiana saíram exatamente pelo seu setor, mas o argentino, infelizmente, não estava mais no jogo. Permanecemos momentaneamente na 6ª posição, mas dependemos do resultado da partida de segunda-feira, para saber em qual posição terminaremos a rodada 26.

 O Botafogo iniciou com mais posse, mas sem achar espaços na defesa adversária. Aos 14, em contra-ataque nascido após passe errado no ataque, a equipe baiana abriu o placar. Em outro contra-ataque aos 22, Gatito evitou o 2º gol. A seguir chegamos pela primeira vez, com Pimpão cabeceando por cima. Aos 25, em cobrança de falta de João Paulo, Brenner empatou a partida. Empolgada, nossa equipe quase desempatou aos 33, em conclusão de Bruno Silva.

 O Glorioso voltou para o 2º tempo com Gilson na vaga de Victor Luis, já que o titular sentiu-se mal no intervalo. A equipe baiana tentou voltar um pouco mais a frente e nos assustou aos 9, em bola na trave, após passe errado nosso no meio de campo.

 O treinador alvinegro sacou Marcos Vinícius, que não produzia, colocando Léo Valencia em seu lugar. Aos 12, um minuto após entrar em campo, o chileno deu excelente passe para Gilson, que sofreu pênalti. Brenner cobrou aos 15 e virou o placar para o Glorioso.

 Aos 19 a história do jogo começou a mudar, quando Joel Carli, ao interceptar um lance, trombou com Luis Ricardo e precisou ser substituído, entrando Marcelo em seu lugar. Após a saída do zagueiro argentino, a equipe adversária começou a apertar e chegou com perigo em chute aos 25 e em conclusão de cabeça aos 27. Aos 38, em contra-ataque perigoso, Gilson interceptou a jogada.

 O Botafogo não criava jogadas ofensivas e acabou sofrendo o empate aos 44, em jogada de escanteio. Aos 46, Léo Valencia recebeu cartão vermelho direto, ao atingir um adversário, logo depois de sofrer falta dura. Se o empate já estava ruim, pior ainda foi sofrer o terceiro gol aos 50, em chute forte de dentro da área.  

Lances do Jogo

1º tempo

- 14 min: Luis Ricardo errou um passe no campo de ataque, a equipe baiana contra-atacou em velocidade, um atacante avançou, chutou na saída de Gatito, a bola bateu na trave e sobrou para outro jogador adversário empurrar para as redes: 0x1;
- 22 min: em outro contra-ataque da equipe baiana, um atacante invadiu a área, tentou dar uma cavadinha, mas Gatito se esticou e fez grande defesa;
- 22 min: Luis Ricardo cruzou da direita, mas Pimpão cabeceou por cima;
- 25 min: João Paulo cobrou falta da meia esquerda, Pimpão raspou de cabeça e a bola ficou limpa para Brenner concluir e empatar: 1x1;
- 33 min: Victor Luis puxou contra-ataque, cruzou, o goleiro cortou, se antecipando a Pimpão, a bola sobrou para Bruno Silva chutar de primeira, com perigo, mas para fora.

2º tempo

- 9 min: Pimpão errou passe no meio de campo, um adversário avançou, chutou de fora da área e acertou a trave de Gatito;
- 12 min: Léo Valencia deu excelente passe para Gilson na área, que foi derrubado pelo goleiro e o juiz, somente depois de ser avisado pelo auxiliar, marcou o pênalti claríssimo;
- 15 min: Brenner cobrou a penalidade e desempatou: 2x1 Botafogo;
- 25 min: em chute de um jogador adversário da entrada da área, a bola foi para fora, com perigo;
- 27 min: após cruzamento da direita, um jogador baiano cabeceou perto da meta de Gatito;
- 38 min: a equipe baiana contra-atacou em velocidade, mas Gilson conseguiu se antecipar e recuperar a bola, evitando o perigo;
- 44 min: após escanteio cobrado da esquerda, um atacante subiu e cabeceou com força para as redes, empatando a partida: 2x2;
- 50 min: a bola foi na nossa área, um jogador baiano ganhou da marcação, ajeitou e chutou com força, à queima roupa: 2x3.

Cartões

 Amarelo para Léo Valencia e Gatito.
 Vermelho direto para Léo Valencia.

Escalação/substituições

 Gatito, Luis Ricardo, Joel Carli (Marcelo), Igor Rabello e Victor Luis (Gilson); Lindoso, Bruno Silva, João Paulo e Marcos Vinícius (Léo Valencia); Pimpão e Brenner.

 Saudações alvinegras.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Números do Botafogo em 60 jogos no ano

 O Botafogo completou 60 jogos em 2017 no último domingo. Apresentamos a seguir alguns números do Glorioso nessa sequência:

- 28 vitórias, 14 empates e 18 derrotas;
- aproveitamento de 54,4%;
- 78 gols marcados e 57 sofridos.

 Artilheiros do Botafogo:

- Roger: 17 gols;
- Pimpão: 9;
- Bruno Silva: 8;
- Guilherme e Sassá: 7;
- Lindoso: 5.

 Os atletas que mais atuaram:

- 50 jogos: Guilherme (14 como titular);
- 49 jogos: Roger (45 como titular);
- 48 jogos: Bruno Silva (47 como titular);
- 47 jogos: Victor Luis (45 como titular);
- 46 jogos: Gatito Fernandez (45 como titular);
            Pimpão (42 como titular);
- 44 jogos: João Paulo (40 como titular);
- 42 jogos: Lindoso (40 como titular);
- 37 jogos: Joel Carli (titular em todos);
- 36 jogos: Igor Rabello (35 como titular);
- 35 jogos: Matheus Fernandes (26 como titular);
- 34 jogos: Gilson (18 como titular);
- 28 jogos: Camilo (24 como titular);
- 24 jogos: Emerson Silva (titular em todos);
            Marcelo (17 como titular);
            Dudu Cearense (11 como titular);
- 21 jogos: Arnaldo (titular em todos);  
- 20 jogos: Fernandes (6 como titular);
- 18 jogos: Montillo (12 como titular);
- 17 jogos: Sassá (5 como titular);
- 16 jogos: Airton (15 como titular);
            Leandro (07 como titular).

Amistoso

 A equipe iniciou o ano vencendo o Rio Branco, por 4x0, em amistoso no Espírito Santo. Gols de Pimpão (2), Montillo e Sassá.

Estadual

 Pelo Estadual foram 14 jogos, com 7 vitórias, 2 empates e 5 derrotas (aproveitamento de 54,7%). O alvinegro marcou 23 gols e sofreu 19.

 Os artilheiros do time foram Sassá (5 gols) e Roger (04).

 Os jogadores que mais atuaram:

- 11 jogos: Guilherme (5 como titular) e Sassá (3 como titular);
- 10 jogos: Roger (9 como titular);
-  9 jogos: Marcinho (titular em todos);
            Gatito Fernandez (titular em todos);
            Renan Fonseca (8 como titular);
-  8 jogos: Lindoso (titular em todos);
            Camilo (titular em todos);
            Bruno Silva (7 como titular);
            Gilson (7 como titular);
            Fernandes (4 como titular).

 Receberam cartão vermelho durante a competição: Marcelo, Bruno Silva e Pimpão.

Copa do Brasil

 O alvinegro realizou seis jogos pela Copa do Brasil, com duas vitórias, dois empates e duas derrotas. Aproveitamento de 44,4%.

 Os artilheiros foram Guilherme e Roger (2 gols cada); Joel Carli e Gilson (1 gol cada).

 Os jogadores que mais atuaram:

- 6 jogos: Victor Luis (titular em todos);
           João Paulo (titular em todos);
           Guilherme (1 como titular);
- 5 jogos: Joel Carli (titular em todos);
           Gatito Fernandez (titular em todos);
           Bruno Silva (titular em todos);
           Lindoso (titular em todos);
           Roger (titular em todos);
           Pimpão (4 como titular);
           Matheus Fernandes (3 como titular);
- 4 jogos: Emerson Santos (titular em todos);
           Igor Rabello (titular em todos);
- 3 jogos: Marcelo (1 como titular);
           Gilson (nenhum como titular);
           Camilo (titular em todos);
- 2 jogos: Airton (titular em todos);
           Emerson Silva (titular em todos);
           Luis Ricardo (titular em todos);
           Vinícius (nenhum como titular);
           Leandro (nenhum como titular);
-  1 jogo: Jefferson (titular);
           Dudu Cearense (começou no banco);
           Fernandes (começou no banco);
           Sassá (titular).

Libertadores

 Pela Libertadores, o Botafogo realizou 14 jogos, com 7 vitórias, 3 empates e 4 derrotas (aproveitamento de 57,1%). Foram 13 gols marcados e 9 sofridos.

 O artilheiro da equipe alvinegra foi Pimpão, com 5 golsAirton, Roger, Camilo, Guilherme, Sassá, João Paulo e Bruno Silva marcaram um gol cada e ainda houve um gol contra a nosso favor.

 Os jogadores que mais atuaram:

- 13 jogos: Victor Luis (titular em todos);
            Pimpão (titular em todos);
            Bruno Silva (titular em todos);
            Gatito Fernandez (12 como titular);
            Roger (11 como titular);
            João Paulo (11 como titular);
            Guilherme (2 como titular);
- 11 jogos: Joel Carli (titular em todos);
- 10 jogos: Lindoso (8 como titular);  
-  9 jogos: Emerson Silva (titular em todos);
            Camilo (8 como titular);
-  7 jogos: Matheus Fernandes (5 como titular);
-  6 jogos: Airton (titular em todos);
            Marcelo (5 como titular);
-  5 jogos: Igor Rabello (titular em todos);
            Emerson Santos (titular em todos);
            Gilson (2 como titular).

Campeonato Brasileiro

 Pelo Campeonato Brasileiro, até o momento, o Botafogo disputou 25 jogos, com 11 vitórias, 7 empates e 7 derrotas.

 O alvinegro marcou 32 gols, sendo 20 quando atuou como mandante. Em relação aos gols sofridos, foram 25, com 13 deles quando atuamos em casa.

 A média de gols do Botafogo é 1,28 e a média do campeonato é de 2,35.

 Após 25 rodadas, o Botafogo é o 6º colocado, com 40 pontos.

 O aproveitamento da equipe na competição é 53,3%

 Como mandante, o alvinegro é o 6º, com 23 pontos e aproveitamento de 63,8%.

 Como visitante, é o 7º, com 17 pontos e aproveitamento de 43,5%.

 No 2º turno o Botafogo é o líder, com 15 pontos em 6 partidas (aproveitamento de 83,3%).

 Os artilheiros do alvinegro são:

- Roger: 10 gols;
- Bruno Silva: 5;
- Guilherme: 4;
- Lindoso: 3;
- Marcos Vinícius e Pimpão: 2 gols cada.

 Os jogadores que mais atuaram:

- 21 jogos: Bruno Silva (titular em todos);
- 20 jogos: Roger (titular em 19);
            Victor Luis (titular em 18);
            Pimpão (titular em 18);
            Guilherme (titular em 5);  
- 19 jogos: Igor Rabello (titular em todos);
            João Paulo (titular em todos);
- 18 jogos: Arnaldo (titular em todos);
            Lindoso (titular em todos);
            Gatito (titular em todos);
- 17 jogos: Gilson (titular em 9);
- 16 jogos: Joel Carli (titular em todos);
            Matheus Fernandes (titular em 15);
- 11 jogos: Marcelo (titular em 9);
            Marcos Vinícius (titular em 6);
            Dudu Cearense (titular em 4).

 Estão pendurados com 2 cartões amarelos: Jefferson; Joel Carli; Emerson Santos; Lindoso; Matheus Fernandes; João Paulo.

 Saudações alvinegras.

domingo, 24 de setembro de 2017

Quando não se pensa pequeno, as coisas fluem melhor

 O Botafogo derrotou o Coritiba por 3x2 na casa do adversário e terminou a 25ª rodada no G6. A equipe alvinegra é a melhor do 2º turno, com 5 vitórias em 6 jogos disputados. São 4 vitórias nas últimas 4 rodadas do Brasileiro.

 O nosso treinador colocou em campo uma formação muito fechada, com o meio de campo formado pelos quatro volantes de origem e mais Gilson, ficando Roger isolado na frente. Em minha opinião, uma falta de ambição, que resultou, sem surpresa, em nulidade ofensiva. Só conseguimos armar um contra-ataque no 1º tempo, finalizado com chute de Roger para fora. Além disso, somente uma conclusão de Bruno Silva, mesmo marcado, aos 46, em que o goleiro fez grande defesa.

 Pelo lado curitibano, jogadas aéreas, como aos 15, em conclusão perigosa para fora, aos 31, que gerou um pênalti defendido por Gatito e aos 35, em bola de cabeça para as redes, após cobrança de falta. Aos 42 Gatito foi exigido novamente, em arremate na pequena área.

 Após o péssimo 1º tempo da equipe, o treinador alvinegro resolveu abrir mão da formação retrancada e equivocada e sacou Matheus Fernandes no intervalo, para a entrada de Marcos Vinícius. O time melhorou um pouco e chegou ao empate logo aos 11 minutos, com Roger, em assistência de João Paulo.

 Ainda carecíamos de maior poder ofensivo e não dava para entender a manutenção de Gilson no time, fora de sua função e mal no jogo. Enfim, aos 18 minutos, o treinador tirou Gilson e colocou Guilherme em campo. Um minuto após ter entrado, Guilherme desempatou a partida, em bela assistência de Bruno Silva.

 Diferente da 1ª etapa, a equipe adversária não assustava e quase ampliamos aos 26, com Bruno Silva, que recebeu de Guilherme e encheu o pé, mas o goleiro salvou. Um minuto depois, Carli, de cabeça, fez o goleiro aparecer novamente.

 A equipe curitibana procurava pressionar e o juiz marcava faltas para eles. Aos 36, em cobrança de uma dessas faltas, Gatito fez boa defesa. O treinador alvinegro, a seguir, tirou Bruno Silva e colocou Dudu Cearense. Aos 37, em nova cobrança de falta, o time adversário empatou.

 Felizmente nem deu tempo de lamentarmos o gol de empate, já que um minuto depois, aos 38, João Paulo dominou na área e encheu o pé para desempatar e sacramentar nossa vitória.

 Uma vitória importantíssima, que nos mantêm muito bem colocados na briga por uma vaga na Libertadores de 2018. No próximo domingo receberemos o Vitória, no Nilton Santos, quando não poderemos contar com Arnaldo e Roger, suspensos pelo terceiro cartão amarelo.

Lances do Jogo

1º tempo

- 15 min: em cruzamento da direita para a nossa área, a bola foi cabeceada com perigo, para fora;
- 17 min: Arnaldo puxou contra-ataque desde o campo de defesa, rolou para Roger na entrada da área, que chutou para fora e perdeu a oportunidade;
- 31 min: um jogador adversário dominou na lateral da área, cruzou, a bola bateu no cotovelo de Lindoso e o juiz assinalou pênalti;
- 34 min: na cobrança da penalidade, Gatito saltou e espalmou;
- 35 min: em nova falta assinalada pela arbitragem para a equipe adversária, na ponta esquerda, houve o cruzamento, um jogador deles cabeceou para o chão e a bola entrou fora do alcance de Gatito;
- 42 min: em cruzamento rasteiro da esquerda, o atacante se antecipou à marcação, tocou na bola e Gatito defendeu;
- 45 min: um atacante adversário dominou fora da área, chutou forte e a bola passou rente à trave de Gatito;
- 46 min: em cruzamento da esquerda, Bruno Silva cabeceou junto a um marcador e o goleiro defendeu com dificuldade.

2º tempo

- 11 min: João Paulo, em cobrança de falta, lançou na área adversária, na medida para Roger cabecear no ângulo e empatar: 1x1;
- 19 min: Roger dominou no ataque, rolou para Bruno Silva na direita, que cruzou rasteiro e Guilherme escorou para as redes: 2x1 Fogão!
- 26 min: Lindoso lançou Guilherme na esquerda, que avançou, rolou para Bruno Silva na área, que chutou forte e o goleiro mandou para escanteio;
- 27 min: após escanteio, Carli cabeceou bem, o goleiro se esticou e salvou novamente para escanteio;
- 36 min: em falta cobrada com força, Gatito rebateu bem;
- 37 min: em nova cobrança de falta, pela meia esquerda, o chute saiu muito forte e foi para as redes alvinegras: 2x2;
- 38 min: Victor Luis mandou para a área adversária, Marcos Vinícius tentou dominar, a bola encobriu o marcador e sobrou para João Paulo, que matou no peito, encheu o pé e desempatou: 3x2 Fogão!

Cartões

 Amarelo para Arnaldo, Joel Carli e Roger.

 Botafogo: Gatito, Arnaldo, Joel Carli, Igor Rabello e Victor Luis; Lindoso, Matheus Fernandes (Marcos Vinícius), Bruno Silva (Dudu Cearense), João Paulo e Gilson (Guilherme); Roger.

 Saudações alvinegras!

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Fim da linha para uma bela campanha

 É muito difícil escrever nesse momento. A chateação toma conta, a tristeza mais ainda, afinal o Botafogo encerrou a sua participação na Libertadores de 2017.

 Depois do empate sem gols no Nilton Santos, o Glorioso, em Porto Alegre, enfrentou o Grêmio de igual para igual, fez um excelente 1º tempo, viu o adversário chegar com um chute no travessão, mas respondeu em seguida, também com uma bola na trave, além de outras jogadas ofensivas não aproveitadas.

 No 2º tempo não tivemos as oportunidades do 1º e aos 17, em jogada de bola parada, vacilamos na marcação e o time do sul fez o seu gol. Depois disso praticamente não teve mais jogo. Eles se seguraram e amarraram o jogo como puderam e nós tentamos o abafa, com Carli praticamente jogando de atacante, mas infelizmente não deu.

 Agora, provavelmente, o “SE” vai surgir: se tivesse acontecido isso; se tivesse acontecido aquilo; se fulano jogasse. São meras especulações, para fatos já ocorridos e sem volta.

 Estamos todos chateados, mas a saída da equipe alvinegra da competição sulamericana não pode apagar a boa campanha realizada e que teve início lá em fevereiro. É importante lembrar de onde viemos e até onde chegamos.

 Para muitos estávamos eliminados quando do sorteio, pois teríamos o Colo-Colo pela frente. Pois bem, no dia 1º de fevereiro derrotamos os chilenos e no dia 8, do mesmo mês, empatamos na casa deles e passamos de fase.

 Ficando os chilenos pelo caminho, o próximo adversário do Botafogo seria o Olímpia do Paraguai e, mais uma vez, nos colocavam como eliminados. Com vitória em casa e derrota na casa do adversário, pelo mesmo placar, ainda em fevereiro, avançamos por meio das cobranças de pênaltis.

 Presente na fase de grupos, com partidas entre os meses de março e maio, o alvinegro teria a companhia do atual campeão, Atlético Nacional da Colômbia, além do Estudiantes da Argentina e do Barcelona de Guayaquil. Qual era o discurso? Já era para o Botafogo! O time alvinegro, superando os adversários, além do descrédito de muitos e da secação de outros mais, não somente se classificou, como terminou como 1º colocado do grupo, com direito a duas vitórias sobre o atual campeão.

 Qual seria o adversário nas oitavas de final? O Nacional do Uruguai. A desconfiança (ou basicamente secação) tinha ficado para os torcedores rivais, já que a superação e aplicação demonstradas pelo time alvinegro mudou o discurso de parte da imprensa. Mais uma vez avançamos, com vitória em casa e também fora, em jogos realizados em julho e agosto.

 Presentes nas quartas de final, enfrentamos o Grêmio, tido por muitos como a equipe que apresentava o melhor futebol do país e o encaramos de frente, mas infelizmente o resultado não foi o esperado, como já relatado no início do texto.

 Tristes, chateados, porém com a cabeça erguida. Com todas as dificuldades (muitas mesmo), fomos mais longe do que clubes com condições financeiras muito melhores que a nossa. A vida segue, nos resta o Brasileiro, competição na qual vamos tentar conquistar mais uma vez a vaga para a Libertadores, para, em 2018, revivermos toda a emoção deste ano e, quem sabe, com uma campanha ainda melhor.

 Saudações alvinegras.

domingo, 17 de setembro de 2017

Trinca de vitórias consecutivas no Brasileiro

 Neste sábado o Botafogo derrotou o Santos por 2x0, em partida realizada no estádio Nilton Santos e engatou a terceira vitória seguida no Brasileiro, mantendo-se na zona de classificação para a Libertadores.

 O alvinegro, que termina o sábado na 5ª colocação, iniciou a rodada em 7º, mas entre os classificados para a Libertadores, já que as equipes que estão decidindo a Copa do Brasil, competição que dá ao campeão vaga na competição sulamericana, figuravam como 5º e 6º, o que abria mais uma vaga pelo Brasileiro.

 Os gols do Glorioso foram marcados por Lindoso e Guilherme, com o nosso volante deixando sua marca no dia em que completava 100 partidas vestindo a camisa do alvinegro.

 O Botafogo foi muito superior ao adversário na etapa inicial, alugou o campo defensivo da equipe paulista e foi criando oportunidades, mas não aproveitadas, com Roger aos 4, com Victor Luis aos 17 e com João Paulo aos 22, todas com assistências de Léo Valencia.

 A equipe continuava melhor em campo e as chances surgiam. Aos 24 Léo Valencia cobrou falta e dificultou para o goleiro. Na sequência, Bruno Silva chutou e o goleiro fez outra grande defesa. Aos 37, em nova assistência de Léo Valencia, foi a vez de Lindoso perder chance clara.

 Pelo volume de jogo apresentado, não seria justo o alvinegro ir para o intervalo sem estar na frente do marcador mas, nos minutos finais, o time conseguiu dois gols, aos 41 e 44 minutos, respectivamente com Lindoso e Guilherme, colocando justiça no placar.

 O Botafogo, com a boa vantagem, voltou mais fechado para a 2ª etapa, dando mais campo ao adversário e tentando explorar jogadas em velocidade. Aos 15, em contra-ataque, Roger avançou, mas perdeu a oportunidade.

 O adversário não conseguia espaços na nossa defesa e a primeira chegada foi aos 19, em chute de longe, interceptado por Emerson Silva. Roger, mal na partida, foi substituído por Brenner aos 19 minutos. Logo depois, aos 23, o treinador alvinegro substituiu Bruno Silva por Marcos Vinícius, possivelmente para preservá-lo para o jogo de quarta-feira, pela Libertadores.

 O jogo seguia e o Botafogo não era importunado, com Gatito vindo a ser exigido somente em recuo perigoso feito por João Paulo, aos 30. Ainda aos 30, Gilson entrou no lugar de Guilherme. Aos 36 Leo Valencia chutou de longe e o goleiro mandou para escanteio.

 O Botafogo controlava o jogo, enquanto este se encaminhava para o final. A equipe santista chegou com perigo somente aos 45, em arremate estranho que bateu na trave.

 Uma boa partida do Glorioso, com vitória tranquila. Um jogo muito bom de Léo Valencia, sobretudo no 1º tempo, aparecendo tanto pelo lado direito, como pelo esquerdo e participando de várias jogadas ofensivas. Guilherme também puxou bons contra-ataques e ainda buscou ajudar na marcação.

 Agora é pensar no duelo decisivo de quarta-feira, pela Libertadores, contra o Grêmio, quando tentaremos a classificação para as semifinais.

Lances do Jogo

1º tempo

- 4 min: em cobrança de falta da esquerda, Léo Valencia lançou na área, Roger concluiu de primeira, mas para fora;
- 17 min: Léo Valencia cruzou da direita, Victor Luis cabeceou e a bola saiu perto;
- 22 min: Léo Valencia tocou para João Paulo na área, que chutou e o goleiro mandou para escanteio;
- 24 min: Léo Valencia cobrou falta próximo da área e o goleiro mandou para escanteio; Em seguida, Bruno Silva pegou um rebote na área, chutou forte e o goleiro espalmou;
- 37 min: em jogada de contra-ataque, Guilherme tocou para Léo Valencia na direita, que cruzou e Lindoso, livre, mandou para fora;
- 40 min: Guilherme puxou contra-ataque pela esquerda, rolou para Roger na entrada da área, mas ele se atrapalhou e perdeu a chance;
- 41 min: Bruno Silva recebeu na direita, achou Lindoso na área, que chutou forte, colocado e abriu o placar: 1x0 Fogão!
- 44 min: Guilherme dominou próximo da linha de meio de campo, lançou Luis Ricardo na direita, que cruzou na grande área, onde o próprio Guilherme já se encontrava para cabecear colocado e ampliar: 2x0 Fogão!

2º tempo

- 15 min: em erro de passe do time adversário, Roger ficou com a bola, avançou, mas chutou, quando poderia passar para Bruno Silva, desperdiçando o ataque;
- 19 min: um jogador adversário chutou de fora, Emerson Silva desviou de cabeça e a bola saiu para escanteio;
- 34 min: em cruzamento de Luis Ricardo a meia altura, a bola passou por Brenner, Gilson ainda tentou tocar, mas a zaga dividiu e a bola saiu;
- 36 min: Léo Valencia chutou de fora da área, a bola desviou na zaga e o goleiro se esticou e mandou para escanteio;
- 37 min: após chute de longe, a bola passou rente ao travessão de Gatito;
- 45 min: em bola na nossa área, um jogador santista concluiu mal, mas mesmo assim a bola bateu na trave e Luis Ricardo afastou.

Cartões

 Amarelo para Guilherme e Victor Luis.
                                                   Escalação/substituições

 Gatito, Luis Ricardo, Marcelo, Emerson Silva e Victor Luis; Lindoso, Bruno Silva (Marcos Vinícius), João Paulo e Léo Valencia; Guilherme (Gilson) e Roger (Brenner).

 Saudações alvinegras!